Cirurgia

Os tipos de tratamento para o câncer de mama são variados, mas temos a cirurgia como terapia curativa, porém ela não é, necessariamente, a primeira opção. Dependendo do estado clínico do paciente, é recomendada a radioterapia, podendo ser parte do tratamento paliativo, complemento ao tratamento cirúrgico ou para diminuir sintomas relacionados à doença. Também é indicado o tratamento sistêmico, que é um complemento constituído pelas modalidades da terapia anti-Her2, quimioterapia e hormonioterapia. 

Quando o tumores são relativamente pequenos, a cirurgia é a primeira modalidade do tratamento curativo, retirando o tumor com uma margem de segurança. Dependendo do tamanho do tumor e da mama, pode necessitar desde a mastectomia (que é a remoção completa da mama, podendo haver imediatamente ou não uma cirurgia de reconstrução), até a quadrantectomia (em que se retira apenas ¼ da mama). Levando em conta a importância da mama, é preferível sempre preservar ao máximo o órgão, fazendo uma cirurgia conservadora.

Para agir com a quadrantectomia, deve-se começar, em algumas situações, pelo tratamento neoadjuvante, que diminui o tamanho do tumor. Com esta  ao invés de fazer a mastectomia.
Como há a possibilidade de expansão do tumor para os gânglios da axila, era comum fazer a ressecção dos gânglios da axila do mesmo lado, além de operar a mama. 

Através de uma análise de um patologista em um primeiro gânglio, é permitido saber se ele está livre da doença, evitando a ressecção dos outros gânglios e que a mulher desenvolva linfedema, gerando inchaço nos braços, dor e maior risco de infecção. Quando é constatado que a doença se espalhou por outros gânglios da axila ou quando o linfonodo sentinela está comprometido, é feita a ressecção de no mínimo 10 gânglios na axila. 

Foram publicados dados no início de 2011 que sugerem que em casos específicos, pacientes com até dois gânglios comprometidos poderiam ser poupadas do esvaziamento, sem comprometer o prognóstico. Mas isso não pode ser considerado um procedimento padrão.

Após a cirurgia, seja ela mastectomia ou quadrantectomia, a reconstrução da mama pode ser realizada para que a mama tenha o aspecto estético mais próximo do desejado pela paciente. A recuperação após o implante pode levar até duas semanas. A paciente pode ter alta em até 6 dias, dependendo do tipo de cirurgia, podendo ir pra casa com um ou mais drenos.