Voltar para listagem
Autor(a):

Data do Post
30/11/2017
/Papo médico

Medicina Personalizada

O câncer de mama é um fenômeno singular, que ataca cada organismo de forma diferente e, por isso, deve ser abordado e pensado individualmente – nesse sentido, os exames genéticos e moleculares podem ser uma importante arma no combate para definir previamente a chance de desenvolver a doença e permitir a elaboração da melhor estratégia para seu enfrentamento.

O câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres: no Brasil, corresponde a 28% de todos os diagnósticos em 2017 (INCA); em todo o mundo, estima-se que 12% da população feminina terá a doença – destas, aproximadamente 27% dos casos serão atribuídos à mutação genética herdada. Entre 5% e 7% das alterações acontecem em genes específicos (BRCA1, BRCA2, TP53, PTEN, STK11 e LKB1) que podem ser descobertas em exames. Pacientes elegíveis ao teste que obtiverem resultado positivo para alguma dessas mutações têm a oportunidade de tomar medidas para evitar o surgimento do câncer, além de alertar outros membros da família suscetíveis a carregar a mesma mutação que eleva o risco para a doença.

Enquanto os exames genéticos podem ser encarados como mecanismo de prevenção em casos específicos, os avanços em biologia molecular têm possibilitado a previsão de resposta de pacientes a determinados tratamentos, com base na análise de um grupo específico de genes. A avaliação molecular é capaz de indicar o risco de reincidência de tumores, ou seja, a possibilidade de retorno do câncer após o tratamento. Assim, pacientes de baixo risco de recorrência da doença, com menos de 10% de chance de desenvolver um câncer em uma década, podem evitar a realização da quimioterapia. Já as que apresentam alto risco terão mais benefícios se realizarem a quimioterapia. De acordo com o estudo MINDACT, apresentado no congresso da Associação Americana para a Pesquisa do Câncer, os testes podem evitar quimioterapias desnecessárias, reduzindo os custos com a saúde em aproximadamente 14% e minimizando o sofrimento destes pacientes. Em função do alto custo, o teste é indicado para casos de dúvidas do real benefício da quimioterapia no impacto da sobrevida da paciente.

 

Fonte: http://bit.ly/2jAfHxx