Voltar para listagem
Autor(a):

Viviane Santos

Data do Post
06/06/2017
/Bem estar

Genética

Em estudo apresentado na #ASCO2017, mais de 500 pacientes com tumores sólidos metastáticos foram estudadas.  Os resultados mostraram que em 72% dos casos foram encontradas alterações genéticas que poderiam indicar uso de alguma droga específica em ensaios clínicos. 
O resultado mais surpreendente foi que 11% dos pacientes tinham alterações germinativas relacionadas a maior predisposição ao câncer, ou seja, indicativas de câncer hereditário. Em nenhum desses casos havia conhecimento prévio da existência de predisposição hereditária.
O estudo conclui, que o sequenciamento de nova geração de tumores pode identificar uma parcela importante de casos com mutações germinativas diagnósticas de câncer hereditário não antecipadas, que será de grande importância não apenas para o paciente, mas para os demais familiares.

Leia a matéria em português em: http://bit.ly/2sB0jVm