Voltar para listagem
Autor(a):

Data do Post
29/08/2018
/Bem estar

Como a alimentação pode amenizar efeitos colaterais do tratamento?

Durante o tratamento do câncer muitos pacientes têm alterações na alimentação. No tratamento de quimioterapia, de uma forma geral, a aplicação dos medicamentos que visam tratar as células malignas também atingem células sadias de multiplicação rápida do nosso organismo. Assim, a partir do momento que qualquer parte do organismo seja atingida, surgem os efeitos colaterais indesejados.

Sempre digo para os pacientes que acompanho: não há um tratamento específico e direcionado para tratar esses sintomas, mas existem medidas comportamentais, alimentares e por vezes medicamentosas para diminuir esse impacto negativo na qualidade de vida.

A seguir, vamos conferir as principais reações adversas provocadas pelo tratamento do câncer e as medidas dietéticas para contornar esse quadro.

 

Náuseas e Vômitos

São sintomas comuns durante os tratamentos de quimioterapia e radioterapia. Veja algumas dicas para amenizar:

Coma pequenas quantidades de alimentos várias vezes ao dia, preferindo alimentos leves e com pouca quantidade de gorduras, como sopas, caldos, sucos, chás digestivos e suco de frutas como abacaxi e limão.

O uso de alimentos cítricos (limão, abacaxi e maracujá) em forma de sucos, picolés e gelos podem ser consumidos no intervalo das refeições, caso não haja contraindicação de acordo com o seu tratamento.

O gengibre auxilia na imunidade e no controle das náuseas. É muito versátil, pode ser consumido em sucos, na forma de chá ou nos alimentos ensopados.

A crioterapia é uma ótima estratégia, que consiste em chupar pedrinhas de gelo cerca de 30 minutos antes da refeição. Atenção: alguns medicamentos contraindicam o uso de alimentos gelados. Consulte a equipe médica e de nutrição para mais informações.

 

Inchaço

O inchaço está presente em alguns tipos de protocolos, principalmente para tratamento de leucemias e câncer de mama. Muitas vezes está associado ao uso de corticoides. Algumas estratégias dietéticas auxiliam na diminuição desse sintoma:

Evitar o consumo de alimentos industrializados, como biscoitos e requeijões.

Não consuma refrigerantes. Esse tipo de bebida concentra grande quantidade de sódio, o que contribui para retenção de líquidos.

Reduza o consumo de sal de cozinha e alimentos em conserva.

Não consuma embutidos. Esses alimentos acabam inflamando o organismo e aumentando a retenção de líquidos. Evite: salames, presunto, mortadela, peito de peru e calabresa.

Não faça uso de bebidas alcóolicas ou mesmo cerveja sem álcool.

 

Dicas de alimentação para amenizar os efeitos colaterais de forma geral

Hidratação – É muito importante manter-se hidratado antes, durante e após o tratamento. Para variar o paladar, invista em águas aromatizadas com rodelas de limão, hortelã e gengibre.

Picolés de fruta – Apesar de muito recomendado para combater alguns sintomas, o sorvete apresenta grande quantidade de gordura trans e açúcar. A dica é investir em picolés de frutas caseiros, pois além de contribuírem para hidratação, são ricos em vitaminas e nutrientes.

Iogurtes - O iogurte é um alimento funcional, fonte de proteínas e desenvolve papel importante na regulação da flora intestinal. A melhor versão é aquele natural, sem adição de açúcares, corantes e aromas. Uma boa dica é misturar com pedaços de frutas naturalmente doces, como manga, uva, morango e banana.

Peixes - Fontes de proteínas e gorduras importantes para manutenção da saúde. Invista nos peixes ricos em ômega 3, como sardinha, atum e arenque.

Vegetais - Os vegetais crucíferos como brócolis, couve, couve-flor e repolho (incluindo roxo) são aliados tanto na prevenção quanto no fortalecimento das defesas do organismo.

É importante lembrar que durante o tratamento do câncer, é necessário um suporte nutricional especializado para manejo dos efeitos colaterais indesejados, controle do peso, melhora da imunidade e suplementação somente quando necessário. Não deixe de conversar com o seu médico e faça o acompanhamento nutricional.

 

*Artigo escrito por Beatriz Silva, nutricionista da São Carlos Saúde Oncológica