Voltar para listagem
Autor(a):

Fundação Laço Rosa

Fundação Laço Rosa

Data do Post
11/06/2019
/

Medicamento aumenta taxa de sobrevivência

Cientista realizando experiência em laboratório.

Durante a reunião anual da ASCO (Sociedade Americana de Oncologia Clínica) em Chicago, cientistas anunciaram um novo medicamento que aumenta a taxa de sobrevivência de mulheres jovens com câncer de mama metastático.

O estudo

O estudo MONALEESA-7 randomizado fase III funcionou da seguinte forma: Os pesquisadores constataram que a adição de Ribociclibe à terapia endócrina padrão de tratamento melhorou significativamente a sobrevida global de mulheres na pré-menopausa com câncer de mama avançado.

Assim, testaram em um grupo de 672 mulheres, onde algumas recebiam o tratamento padrão, e outras recebiam a terapia combinada. Após um acompanhamento médio de 34,6 meses, 173 (26%) ainda estavam em tratamento, com 116 (35%) das mulheres ainda recebendo ribociclib e 57 (17%) ainda recebendo placebo.

Resultados

Concluíram então, que a taxa de sobrevivência foi de 70% para as mulheres tratadas com o novo medicamento em comparação com 46% para as mulheres que receberam apenas terapia endócrina. Sendo assim, as mulheres que receberam Ribociclibe tiveram uma sobrevida livre de progressão de 23,8 meses versus 13 meses para as mulheres que receberam o placebo.

O estudo foi apresentado pela Dra. Sara A. Hurvitz, diretora do Programa de Pesquisa Clínica em Câncer de Mama na Universidade da Califórnia, Los Angeles Jonsson Comprehensive Cancer Center.

O câncer de mama avançado é menos comum em mulheres na pré-menopausa do que em mulheres mais velhas, mas a incidência está aumentando.   O MONALEESA-7 é o primeiro estudo a se concentrar exclusivamente em mulheres com menos de 59 anos de idade que estavam na pré-menopausa e tinham câncer de mama metastático para o qual não haviam recebido terapia endócrina prévia.

E agora?

Agora, os pesquisadores estão analisando os resultados do estudo para entenderem em qual corpo o medicamento funcionou melhor e poder definir quais mulheres podem se beneficiar mais com esse tratamento.Além disso,  estão estudando o uso do Riboclibe em outros tipos de câncer de mama, como o câncer em homem e o câncer em estagio inicial.

Fonte: ASCO