Voltar para listagem
Autor(a):

Laço Rosa

Laço Rosa

Data do Post
31/03/2021
/

Entenda o que é o câncer de mama triplo negativo!

Já ouviu falar sobre o câncer de mama triplo negativo? Apesar de não ser tão popular, ele pode se desenvolver de forma mais agressiva e acomete mulheres jovens, geralmente, com idade inferior a 40 anos. Relativamente novo, os primeiros estudos começaram em 2005 e pouco se sabe sobre sua origem.

Por outro lado, o tratamento, os fatores de risco e os sintomas são similares aos do câncer de mama comum, assim como a premissa de que quanto mais cedo for realizado o diagnóstico mais chances de a paciente sobreviver à doença. Vamos entender mais sobre ela?

Entenda o câncer de mama triplo negativo

O tumor triplo negativo representa cerca de 15% dos casos de câncer de mama no mundo. Ele é uma das subcategorias da doença, que são: luminais A e B, HER2 positivo e o próprio. Seu diagnóstico é feito por meio da análise imuno-histoquímica, que, caso positivo, apresenta a ausência desses três biomarcadores que apontam o câncer: HER2, estrogênio e progesterona.

Ele é considerado mais agressivo devido às chances de retornar após o tratamento. Apesar de as pesquisas avançarem a favor desses pacientes, ainda não há uma fórmula específica, o que favorece seu reaparecimento.

Quais são os fatores de risco?

Qualquer mulher pode desenvolver o câncer de mama triplo negativo. Contudo, as latinas, as que apresentam mutação nos genes BRCA1 e BRCA2 e as afro-americanas são mais propensas. São esses genes que auxiliam na proteção do organismo contra o câncer. Diante da mutação, eles perdem essa capacidade, tornando o corpo mais suscetível a ser atacado. O fator hereditário também deve ser considerado, sendo mais suscetível quem tem histórico familiar de câncer de mama ou ovário.

Como se dá o tratamento?

Geralmente, o tratamento se dá por meio da radioterapia e da quimioterapia neodjuvante, isto é, quando ela é realizada antes da cirurgia de retirada da mama. São elas que ajudam a diminuir o tumor. Entidades médicas têm estudado sobre a ação de inibidores, como os PARP, cuja ação torna as células cancerígenas menos resistentes à quimioterapia, aumentando as chances de melhora da paciente.

Além disso, a imunoterapia também tem se mostrado promissora. Uma pesquisa feita nas clínicas americanas Mayo e na Caris Life Sciences mostrou que 25% das pacientes tiveram a doença controlada com a ajuda dessa terapia. Ainda, é avaliada a possibilidade da associação dos dois tratamentos (imunoterapia e quimioterapia).

Considerando a alta taxa de mortalidade relacionada à rápida velocidade com a qual as células se multiplicam e a ausência de um tratamento específico, a descoberta precoce é uma grande aliada para resultados eficazes.

As medidas de prevenção são as mesmas para se proteger contra o câncer de mama: tenha um cardápio saudável no dia a dia, evitando alimentos ultraprocessados; exercite-se com frequência; não fume e evite bebidas alcoólicas. Além disso, faça a mamografia todos os anos, especialmente se você tem histórico familiar (não necessariamente do câncer de mama ou ovário).

Nosso conteúdo sobre câncer de mama triplo negativo foi útil para você? Siga a Fundação Laço Rosa nas redes sociais e acompanhe nosso conteúdo! Estamos no Facebook, Instagram, Twitter, YouTube e LinkedIn.