Voltar para listagem
Autor(a):

Laço Rosa

Laço Rosa

Data do Post
20/09/2020
/

[agosto/2020] Mulher empreendedora: é possível vencer o câncer e empreender após isso? Veja agora!

Como sabiamente disse Johnny Depp, “você nunca sabe a força que tem até que sua única alternativa é ser forte”. Essa frase fala bastante sobre quem sobreviveu ao câncer. Desde o descobrimento da doença até o fim de seu tratamento, a carga física e emocional é intensa e exige muita determinação.

No entanto, quando a doença vai embora, aparece outro desafio: e agora? Como lidar com a vida normal novamente? Como seguir com a carreira? Muitas mulheres provaram que é possível e que o câncer também pode impulsionar novas oportunidades. Continue a leitura e conheça mulheres empreendedoras incríveis.

Luciana Provenzano

Após finalizar o tratamento de um câncer linfático, em 2012, a carioca Luciana Provenzano resolveu criar TAO Sustentabilidade, uma empresa cujo foco é oferecer educação ambiental para escolas e outras empresas, e tem faturado milhões de reais desde então.

A doença acabou voltando e ela teve que diminuir seu ritmo de trabalho até recuperar a saúde. Feito isso, ela pôde se dedicar novamente e, até então, tem ajudado grandes corporações a preservar o meio ambiente.

Ashley Anderson

Some um câncer linfático, um roubo milionário e uma sociedade rompida: essas situações foram vivenciadas por Ashley Anderson, que teve sua experiência com câncer aos 21 anos. Depois de lutar contra a doença e vencer, seu sócio lhe roubou US$20 mil dólares e fugiu.

Determinada a recuperar seu negócio, Ashley fundou a Boutique Hub, uma comunidade online que reúne mais de 4 mil varejistas independentes que, por meio de uma mensalidade, têm acesso a videoaulas, informações de mercado, descontos e muito mais. Em 2019, o lucro da empresa foi acima de US$ 2 milhões.

Jana Drexlerova

A disgeusia é um dos possíveis efeitos colaterais da quimioterapia. Ela consiste na alteração ou distorção do senso de paladar, levando a pessoa a não ser indiferente ao gosto da comida. Foi uma das consequências que Jana Drexlerova sentiu após se tratar contra a doença. E também foi com isso que surgiu uma ideia inovadora.

Ela criou a Mamma Bier, uma cerveja desenvolvida especialmente para quem tem esse problema. Ela não tem álcool e possui um sabor especial para pessoas com câncer. Sua composição inclui vitaminas e sais minerais, que fortalecem o organismo contra os efeitos do tratamento. Muito famosa na República Tcheca, ela é oferecida em hospitais e farmácias locais.

Dane Holanda

Um dos meios de prevenir o câncer é praticar atividades físicas com regularidade. Essa foi uma das lições que a empresária Dane Holanda aprendeu após ser vítima da doença, em 2007. Fundou uma rede de academias e passou a se dedicar a levantar a bandeira da saúde e qualidade de vida.

Com essa missão, ela lida diariamente com pessoas de todas as idades, que procuram sua empresa para melhorar o condicionamento físico e relaxar.

São histórias como essas que refletem a capacidade e a determinação que podem nascer a partir de um momento sensível, como o tratamento de um câncer. Seja abrindo um novo negócio, seja investindo em algo que acredite, o importante é ressignificar a vida e trabalhar naquilo que possa fortalecer seu propósito e sua vontade de viver.

Quer conhecer mais mulheres empreendedoras? Assine nossa newsletter e acompanhe o conteúdo da Fundação Laço Rosa.