Voltar para listagem
Autor(a):

Laço Rosa

Laço Rosa

Data do Post
14/06/2022
/

Câncer de mama masculino: quais as principais diferenças?

O câncer de mama masculino não é tão comentado quanto o feminino, porém ele existe. A enfermidade pode estar ligada a diferentes fatores, como questões genéticas, idade (é mais comum a partir dos 65 anos), exposição à radiação e uso de estrogênio.

Esse tipo de câncer corresponde a somente 1% do percentual da doença entre as regiões afetadas pelo sexo masculino. Além disso, a relação entre o câncer de mama masculino e o feminino é de 1/100: a cada 100 casos femininos, há 1 episódio entre a população masculina.

Apesar da baixa prevalência, ainda é necessário conhecer e divulgar a prevenção e a identificação. Os sintomas são semelhantes àqueles que as mulheres sentem quando estão com câncer de mama.

Com esse objetivo, este post fala sobre essa doença entre os homens e também as diferenças quando comparada ao câncer de mama feminino. Confira!

Câncer de mama masculino existe?

A resposta é sim. O câncer de mama masculino atinge as glândulas mamárias dos homens, assim como o que acomete as mulheres. Muita gente acha que essas estruturas não existem no corpo do homem, o que é um engano. Logo, apesar de ser raro e bem incomum entre a população masculina, correspondendo a 1 caso a cada 100 femininos, os homens ainda devem atentar-se aos sinais e sintomas do câncer de mama.

Quais os principais fatores de risco?

Os fatores de risco para o câncer de mama masculino são semelhantes ao da doença entre as mulheres. A enfermidade pode ser associada a histórico familiar (o motivo mais comum), idade, uso de anabolizantes com testosterona – hormônio que tem a capacidade de aumentar as glândulas – e exposição ao sol.

Outra causa é a síndrome de Klinefelter, que afeta 0,1% dos homens. Quem sofre com essa condição genética tem os testículos menores, geralmente é estéril e tem maior produção de estrogênio, o que pode gerar o câncer. Logo, as características dos testículos interferem no desenvolvimento da doença. O câncer de mama masculino também pode ser resultado do consumo de álcool em excesso e estar ligado a obesidade e tratamentos com estrogênio.

Como identificar o câncer de mama masculino?

O câncer de mama masculino pode ser identificado com a observação de nódulos indolores e endurecidos, presença de sangue nos mamilos e aumento linfático na região das axilas. Para o diagnóstico, é necessário fazer os mesmos exames realizados pelas mulheres, como mamografia, ultrassom, biópsia e ressonância magnética.

Como é feito o tratamento?

O tratamento do câncer de mama masculino tem mais chances de sucesso se a doença for detectada precocemente, assim como acontece entre as mulheres. A terapia também é igual, com sessões de quimioterapia, se necessário, e mastectomia, que é a retirada da mama. Além disso, é feita a remoção do linfonodo sentinela, procedimento que tem o objetivo de definir se a doença está restrita à região mamária ou já se expandiu para outros órgãos. Caso ela tenha se espalhado para as axilas, são necessárias sessões de quimioterapia e de radioterapia se os gânglios linfáticos tiverem sido atingidos.

Os homens também devem fazer a autoavaliação das mamas, com o toque para analisar a textura e a presença de sinais anormais. Se a doença for descoberta na fase inicial, as terapias são mais rápido e têm mais chances de serem bem-sucedidas.

Gostou do conteúdo? Compartilhe em suas redes sociais!