Voltar para listagem
Autor(a):

Natali de Araujo

Natali de Araujo

Data do Post
03/01/2023
/

Cuidar da saúde mental durante o tratamento de câncer? Saiba como!

Cuidar da saúde mental, até poucos anos atrás, não era considerado uma necessidade. No entanto, isso mudou. O aumento significativo de transtornos relacionados a mente — hoje, o Brasil é considerado o país mais ansioso do mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde — fez com que órgãos governamentais, empresas e a própria sociedade olhassem para essa demanda de maneira diferente.

Isso é ainda mais expressivo quando estamos diante de um quadro de câncer. A ansiedade que antecede e continua após o diagnóstico, a preocupação com o êxito do tratamento e a falta de apoio impacta o paciente — que, eventualmente, precisa de ajuda profissional para suportar essa fase complexa.

Saiba mais sobre o assunto, ao continuar a leitura deste post!

O que é saúde mental?

Segundo a OMS, a saúde mental é “um estado de bem-estar, no qual o indivíduo é capaz de usar suas próprias habilidades, recuperar-se do estresse rotineiro, ser produtivo e contribuir para sua comunidade”.

Em outras palavras, consideramos saudável mentalmente alguém que lida, de modo consciente e equilibrado, com suas emoções e problemas do dia a dia, ampliando essa postura para seus relacionamentos.

Sem o cuidado devido com a mente, ficamos mais vulneráveis às ameaças e aos transtornos mentais que são tão comuns atualmente.

Para se ter uma ideia, a OMS prevê que, até 2030, a depressão vai ser a doença mais comum do mundo. Para se proteger, o primeiro passo é reconhecer a gravidade, urgência e importância de tocar nesse assunto.

Quais são os benefícios de cuidar da saúde mental?

Se, ao cuidar da saúde física, conseguimos aumentar a longevidade e a vitalidade, podemos assegurar que cuidar da saúde mental produz os mesmos benefícios — e mais.

Descubra alguns deles, nos próximos tópicos.

No trabalho

Ao conversar com um profissional de Recursos Humanos e perguntar algumas das características que se destacam em um colaborador, provavelmente vai ouvir “habilidade de solucionar conflitos”. Essa é uma das competências que alguém que cuida da saúde mental desenvolve.

Isso porque ela consegue pensar com mais clareza, objetividade e paciência, dando voz à emoção e razão de maneira mais equilibrada. Logo, no trabalho, essa qualidade se destaca!

Fora isso, as relações dessas pessoas também são encaradas de um jeito diferente, com maturidade e responsabilidade, o que favorece o relacionamento interpessoal — inclusive no emprego.

Na vida pessoal

Aqueles que investem tempo no cuidado da saúde de suas mentes, geralmente, são mais tolerantes e conseguem se relacionar bem, de maneira mais inteligente. Conservam boas amizades e têm relações afetivas de longo prazo.

Esse benefício também está associado ao fato de que esses indivíduos têm um grau maior de autoconhecimento, sendo mais exigentes em relação a quem escolhem para manter ao lado.

Outro ponto muito importante, que chega como consequência, é a melhora da autoestima. A pessoa se sente mais capaz e forte, aprimorando sua capacidade de tomar decisões difíceis.

Esse progresso é fundamental, principalmente, quando estamos falando de um paciente com câncer, que passa por uma mudança considerável na vida e rotina.

Retoma-la, após o tratamento e a cura, pode se revelar algo desafiador. É normal que o comportamento dessa pessoa mude, e contar com o suporte de um psicólogo vai favorecer uma mudança positiva no futuro.

Como manter a saúde mental durante o tratamento do câncer?

Sabemos que o câncer é uma enfermidade que ataca o organismo — mas, na mesma proporção, afeta também a mente. A simples possibilidade de tê-lo assusta e pode desencadear uma crise de ansiedade para quem já convive com o transtorno.

Confirmado o diagnóstico, é preciso de uma sólida rede de apoio, aliada a um acompanhamento psicológico para evitar que o problema se agrave.

Veja algumas dicas de como manter a saúde mental em fase de tratamento!

Seja otimista

Ser otimista não está relacionado a desconsiderar o parecer médico, ou entrar em negação. O otimismo ao qual nos referimos tem a ver com uma postura esperançosa e positiva de que o tratamento vai ser suficiente para que você seja curada.

Dá para ser otimista e realista ao mesmo tempo! É importante lembrar que vai ser um processo árduo, que demanda paciência e resiliência, mas vai passar. E quando isso acontecer, será uma história que vai inspirar outros pacientes a continuar a caminhada.

Apoie-se no que (e em quem) ama

A doença debilita o corpo. Porém, na medida do possível, preserve sua rotina e o que gosta de fazer. Se ama nadar, por exemplo, avise o seu médico e, com a devida autorização, continue praticando a atividade. Se gosta de ir ao cinema ou passear com seu animal de estimação, faça isso.

Às vezes, o diagnóstico do câncer serve para colocar em perspectiva situações que, antes, pareciam impossíveis de resolver. Não negue apoio: você vai precisar — e não tem problema nenhum nisso.

Aproxime-se das pessoas que ama e mantenha-as por perto. No final, você vai perceber como isso fortaleceu o elo entre vocês!

Faça acompanhamento psicológico

A terapia não é uma necessidade restrita a quem tem câncer — pelo contrário. O ideal seria que todos pudessem investir e conversar periodicamente com um profissional como o psicólogo. Essa estratégia é eficaz, inclusive, para o autoconhecimento e a superação de traumas.

No caso do câncer, desde a confirmação do tumor, é necessário iniciar o acompanhamento. Casos de depressão e ansiedade são muito comuns nessas circunstâncias, e essa combinação pode ser fatal.

Se for preciso, procure também um psiquiatra. Ele é quem se deve procurar quando a doença carece de um tratamento medicamentoso para melhorar. O acompanhamento psicológico pode continuar paralelamente, pois esses profissionais possuem objetivos e métodos diferentes.

Cuidar da saúde mental, com certeza, vai ajudar a paciente a lidar com a doença de uma maneira menos difícil, o que contribui positivamente para o sucesso do tratamento.

Não podemos ignorar que, mesmo nessa fase, a vida continua acontecendo, com trabalho, família, amigos e responsabilidades — e equilibra-las depende de uma boa base. Por isso, não deixe de investir em você e no seu bem-estar!

Gosta deste tipo de conteúdo? Siga-nos nas redes sociais e não perca nossas próximas postagens: estamos no Facebook, no Twitter, no Instagram, no YouTube e no LinkedIn!